19 julho, 2014

Este versinho

Por que me trancas 
o rosto e o riso 
e assim me arrancas 
do paraíso

Por que não queres, 
deixando o alarme 
(ai, Deus: mulheres!), 
acarinhar-me

Por que cultivas 
as sem perfume 
e agressivas, 
flores do ciúme

Acaso ignoras 
que te amo tanto, 
todas as horas, 
já nem sei quanto 

Visto que em suma 
é todo teu, 
de mais nenhuma, 
o peito meu 

Anjo sem fé 
nas minhas juras, 
porque é que é 
que me angusturas

Minh'alma chove 
frio, tristinho. 
Não te comove 
este versinho?

Carlos  Drummond de Andrade

24 junho, 2014

Uma dose

de Clarice, por favor.

11 junho, 2014

As coisas que você não fez

Estava frio e chovendo, tipico de uma manhã triste. Eu não quis acreditar quando ouvi aquelas palavras que mal começaram a sair de dentro dela. Eu já sabia que um dia poderia acontecer, mas não acreditava. Te ver pálido deitado em meio aquelas flores em uma sala fria no minimo acabou comigo. É até estranho citar, mas teu rosto ainda parecia sorrir. Sentada no sofá comecei a pensar em você. E as suas coisas? E seus pequenos tesouros que ninguém dá valor, mas que para você eram pequenas lembranças (aquelas que todo mundo tem, mas que ninguém vê sentido)? E os filmes que você não assistiu? E os livros que não leu, as roupas que não vestiu, os sapatos que não calçou, os shows que não assistiu, o aniversário que não chegou? E os amigos que não conheceu, a namorada que não beijou, os filhos que não teve, o cabelo que não cresceu, a imagem no espelho pela manhã que não enxergou...
Os erros grandes e pequenos que não cometeu, as besteiras que não fez, as piadas que não ouviu, os lugares que não conheceu, as músicas que não tocou. E todas as outras coisas que você não pode fazer, ver, ouvir e dizer porque simplesmente não teve tempo.
E a dor que deixou aqui em meu peito? E agora? 3 meses se passaram e você ter ido me mudou muito. No mesmo dia em que se foi eu percebi. A sua falta me causou um naufrágio. Eu continuo errando e acertando todos os dias, e estes passam rápido. Eu continuo tentando ser melhor e me distrair também. Mas nas pequenas coisas lembro de você, e aí me vem seu rosto adormecido naquela sala fria. Mas em seguida parece que te ouço dizer que está tudo bem, e que agora você está feliz. Assim espero, porque aqui estava mesmo muito difícil. Eu só queria ter tido um pouquinho mais de tempo para poder ter conhecido mais um pouco daquele grande ser que você era.
Depois de escrever isso só para desabafar, vou continuar fazendo o que fazia até meus pensamentos chegarem até você. Vou seguir a noite, como deveria, mas sei que não vou esquecer teu sorriso. Boa noite Alexandre, durma bem.

28 maio, 2014

Desejos

tantos desejos, em um tão pequeno eu.

05 maio, 2014

Palavras

São só palavras,
as que fazem sentido.
As que me dão um alivio.
Ainda bem, novamente, bem.

eu sendo agora o que realmente sou.